Entenda como funcionava suposto esquema pelo qual Jair Renan Bolsonaro é investigado no DF

De acordo com as investigações, eles são suspeitos de estelionato, falsificação de documentos, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Segundo a polícia, Jair Renan e Maciel Carvalho seriam os donos de empresas que estavam no nome de dois laranjas: Edualdo Alves dos Santos e Marcos Aurélio Rodrigues dos Santos.

“Nesse esquema, eles utilizavam pessoas como laranjas para colocar a empresa no nome dessas pessoas e, assim, fugir de responsabilidades com órgãos públicos ou com dívidas como pessoas jurídicas. Então, era uma forma deles blindarem seu patrimônio, transferindo ou criando empresas em nome de laranjas”, afirma o delegado Leonardo Cardoso, diretor do Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado.
 

A defesa de Jair Renan disse que ele se surpreendeu com a operação e que “está tranquilo”. A defesa de Maciel Alves de Carvalho afirmou que “a narrativa da autoridade não condiz com a verdade, e será esclarecido perante a autoridade competente”.

A defesa de Marcos Aurélio Rodrigues dos Santos disse que o suspeito recebeu a denúncia “com estranheza” e que no momento oportuno irá demonstrar sua inocência.

Após tentativa contato com a defesa de Eduardo Alves dos Santos, que já tinha um mandado de prisão contra ele, mas está foragido.

Segundo a Polícia Civil, o grupo criou uma falsa identidade — no nome de Antônio Amâncio Alves Mandarrari — para abrir contas bancárias e atuar como laranja. “O objetivo final era blindar o patrimônio dos envolvidos”, afirmam os investigadores.

“Um dos suspeitos é justamente investigado por dar vida a esse tipo de pessoa, o que a gente chama de laranja. Ele usou documentos de uma pessoa que nunca existiu. Eles fazem nascer uma pessoa física inexistente. O suspeito continua foragido, e já há contra ele um mandado de prisão preventiva pedido pelo crime de homicídio no Distrito Federal”, diz o delegado Marco Aurélio Sepúlveda Santos, da Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Ordem Tributária.

Os alvos também são suspeitos de forjar relações de faturamento e outros documentos de empresas de fachada criada por eles. Para isso, segundo a PCDF, eles usavam dados de contadores – sem o consentimento deles – inserindo declarações falsas para mascarar movimentações financeiras suspeitas entre eles.

De acordo com a Polícia Civil, há possibilidade de que os alvos da operação tenham enviado quantias de dinheiro para o exterior.

“À medida que eles colocam o que a gente chama de laranja para assumir a titularidade ou suceder aquela pessoa jurídica, o verdadeiro proprietário acaba se livrando das responsabilidades perante os órgãos públicos. Isso seria, por exemplo, um crime de lavagem de dinheiro, de ocultar ou dissimular valores, bens. É o que está sendo investigado na presente operação policial”, afirma o delegado Marco Aurélio Sepúlveda.

O mandado contra Jair Renan é cumprido em dois endereços: no apartamento onde ele mora em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, e em um prédio no Sudoeste, área nobre de Brasília. Ao todo, os agentes cumprem cinco mandados de busca e apreensão e dois de prisão.

Ao todo, os agentes cumprem cinco mandados de busca e apreensão e dois de prisão. Os alvos são:

  • Jair Renan
  • Maciel Carvalho, amigo e instrutor de tiro de Jair Renan, foi preso
  • Eduardo Alves dos Santos, que está foragido e é investigado por ser “testa de ferro” do esquema
  • Marcos Aurélio Rodrigues dos Santos

Deixe um comentário